24 de agosto de 2009

OBSESSÃO POR PRODUTOS SAUDÁVEIS : ORTOREXIA

Algumas pessoas fazem do centro de suas vidas o cardápio. Rejeitam qualquer alimento que não seja natural, puro, saudável ou controlado. Isso é causado por um transtorno alimentar capaz de deteriorar a saúde tanto física como mental; a ortorexia, obsessão em manter uma dieta saudável que pode causar o efeito contrário, uma alimentação desequilibrada. Os ortoréxicos, rejeitam não apenas os alimentos que engordam ou têm toxinas, mas também aqueles cultivados com adubos e herbicidas, mas os que possuem substâncias artificiais; seu lema é: "nada de gorduras, carnes, alimentos transgênicos, comidas enlatadas, pré-prontas ou com aditivos, lácteos, farinhas, refrescos, cafeína e substâncias químicas!". A obsessão por uma alimentação saudável não se restringe ao alimento, mas também a maneira de preparo e recipientes utilizados; dedicam uma hora para examinar o que vão comer, lêem minuciosamente os rótulos daquilo que compram, comem e cozinham sozinhos por não confiar em restaurantes e mastigam dezenas de vezes antes de engolir. Essa dedicação consome cada vez mais tempo para elaborar menus e pretos e diminui cada vez mais o tempo para sair e se divertir. A obsessão pelo consumo de alimentos saudáveis deixou as academias de ginástica para se tornar nome de doença: a "ortorexia", segundo os psicólogos e nutricionistas, afeta 2% da população de países como os Estados Unidos. A ortorexia é um "fenômeno crescente". Com o tempo, ela pode ser equiparada a outros problemas de saúde, como a anorexia, a bulimia ou a obesidade. Ele recomendou medidas preventivas para deter o seu crescimento, entre elas a educação desde a infância com hábitos alimentícios saudáveis. Quanto mais "severa" for a obsessão, mais alimentos básicos forem excluídos da dieta, continuou o analista. A ortorexia pode resultar em desnutrição, anemia, perda de massa óssea, carências de vitaminas e minerais, fraqueza e um alto risco de infecções. Alguns dos sintomas da doença, disse à Efe a psicóloga clínica Elena Borges, são "passar horas no supermercado" lendo a composição dos alimentos e comprar unicamente os orgânicos, macrobióticos, dietéticos, integrais, sem aditivos, e com garantias de que não contêm conservantes, pesticidas nem herbicidas. Os principais sintomas seriam; dedicar grande parte do dia a decidir meticulosamente o que se vai comer, evitar reuniões sociais e jantares para não "cair na tentação" de ingerir outro tipo de produto, pesar os alimentos e sentir "grande culpa se quebrar as regras" são indícios preocupantes. A falta de auto-estima e o medo do fracasso são outros condicionantes que acompanham os pacientes. Os especialistas apontam outros fatores que desencadearam a tendência. O culto ao corpo e a publicidade de produtos supostamente saudáveis ou enriquecidos estão entre os mais importantes. O ortoréxico se "enche" de produtos funcionais com o objetivo de ficar saudável. Porém, deixa de consumir "80% de outros que são mais saudáveis e básicos para o organismo". Os doentes, em muitos casos "hipocondríacos e excessivamente rígidos em seus comportamentos", acabam acumulando algumas substâncias em excesso, enquanto carecem de outras fundamentais. Nos Estados Unidos, cujas tendências são difundidas para o resto do mundo, ganharam força as campanhas sobre o problema dos alimentos geneticamente modificados e a ameaça de doenças como a da "vaca louca". O país hoje tem o maior número de supermercados ecológicos do planeta.

Um comentário:

Lamb disse...

Dra, como vai? Sou produtora de elenco do programa alternativa saúde e, agora, teremos participantes com diversos casos diferentes sendo um deles de Ortorexia. Gostaria de conversar com você a respeito.
Meu e-mail é marianalamb@gmail.com.
Telefone: 81285870
Muito obrigada,
Aguardo seu retorno.
Mariana Carneiro